15 de janeiro de 2017

Dormir


Não quero envelhecer. Quero morrer jovem. E queria ter de volta os dezesseis anos de idade... não é por nada de especial, a não ser pelo meu favoritismo pelo número oito e por esta idade da qual sinto falta ser somente um múltiplo do oito.
Queria morrer jovem. E quero.
A vida me cansa, me envelhece, e a morte me serviria como algo rejuvenescedor. Envelhecer cansa, envelhecer cansa, envelhecer cansa. Me encontro tão cansada que já sinto ter chegado o mais longe de minha velhice. Ansio pelo descanso eterno, a verdadeira vida. Esse meu desejo não significa ingratidão pela vida com a qual fui presenteada, foi só porque já sinto ter desfrutado demais desse presente, e já estou ansiosa por desfrutar o próximo.
Ou talvez essa vontade não possua nenhuma justificativa, a não ser a vontade em si mesma. Como a curiosidade de uma criança em saber como será ter o futuro presente. Ah! E como eu amo possuir essa curiosidade genuína!
Quero morrer jovem, morrer antes que este espírito de criança e essa esperança infantil morra... Morrer jovem, viver intensamente até o último momento ante a minha morte.




8 comentários:

  1. As vezes parece que a mente da gente envelhece o tempo todo, dando pulos no espaço dos pensamentos. Ainda que a matéria viva muito, no fim todos partimos jovens. Adorei.
    Saudações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah! sim, já me sinto uma velha carcaça de pensamentos pesados e vazios.
      Que bom que gostou!
      Saudações!

      Excluir
  2. Respostas
    1. obrigada pelas palavras tão carinhosas ❤

      Excluir
  3. Que texto <3
    http://e-nchantedforest.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Pesquisar este blog