9 de junho de 2016

Acordar... [pra vida]


Me disseram que eu já acordei pra vida.
Mas eu me sinto como que num sonho...
Tenho o meu foco, os rumos desta história, contudo até mesmo os sonhos não seguem roteiros e podem nos surpreender.
Quando será que se acorda do sonho depois que se acordou pra vida?
Deve ser como naqueles sonhos, em que sonhamos que acordamos de um sonho, ainda sonhando.

[Isso seria bom?]

Ah, é! Em tudo tem-se o lado bom. E se a vida é louca, é mesmo um sonho. E se a vida é o que é, é mesmo um sonho. E se a vida é um sonho, é mesmo a realidade.
[Realidade?]

O que fica de certeza é a dúvida.
Eu acretido numa outra vida (que não é passageira). Numa outra vida onde sejamos esclarecidos e, então, saberemos que ali será a vida... como ela é, como ela deve ser.

9 comentários:

  1. e como deve ser?
    O que fica de certeza é a dúvida, é... isso, sem dúvidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bom nos contentarmos com as dúvidas, porque nem sempre há respostas...

      Excluir
  2. Acho que tu sabia antes de te dizerem, senão porque você escreveria isso; antes?!
    Eu penso que que tu deverias saber que a terra sabe que tu despertou, pra vida.
    bom domingo

    ResponderExcluir
  3. Despertar... Tá aí o verbo certeiro. Vai ver eu ainda não acordei...

    Obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Car de Carlos, Camar de Camargo. É tão sem fundamento que eu pensei que nem merecia explicação,mas tu me parece tão pragmática que achei melhor dizer aqui. Desculpe-me pela demora.

      Excluir
    2. Não sou tão pragmática assim... foi só curiosidade mesmo.
      Não há pelo que se desculpar.
      E obrigada pela atenciosa resposta.

      Excluir
  4. "Isso não é um sonho, você não pode acordar."

    http://winterb-irds.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Legal que você acordou pra vida e saiu pro mundo, agora volta e escreve, o mundo tem um mapa desenhado no teu cérebro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me sinto lisonjeada por receber esta espécie de intimação sua, Carlos, à minha escrita. Mas é que eu sou assim mesmo, feito passarinho.

      Excluir

Pesquisar este blog