7 de janeiro de 2016

Semanário de estudos: Biografias


O que é que a imagem acima tem a ver com o post? Nada. ou tudo. Depende de como você interpreta o post, a foto, a vida... 

Oi, oi, raios de luz! Tudo na paz com vocês? Do fundo da alma, desejo que esteja. 
Para a alegria de muitos, a prova do ENEM 2015 já ocorreu (espero que tenham ido todos bem) e para a ansiedade de outros está por vir alguns vestibulares. Como eu também estou nos estudos finais, decidi compartilhar com vocês um dos "macetes" que mais me ajudam na absorção de aprendizados. Trata-se da leitura de biografias.

Nessa longa caminhada de estudos já me deparei muitas vezes com um monte de leis, tratados ou teorias que simplesmente não eram absorvidas pelo meu sofrido cérebro, e isso é o ponto inicial que desperta em mim uma baita curiosidade sobre quem os disse ou como chegou a tal conclusão ou porque se aventurou em tal assunto. Assim também o é com os assuntos que muito me cativam, fico tão maravilhada com a ideia que busco saber sobre a personalidade por detrás dela.

Semana #10: Biografias

É claro que isso é relativo de cada um, o fato de eu compreender melhor determinado assunto depois estudar a vida de alguém, que esteja relacionado a este assunto, não significa que todos também irão obter os mesmos resultados com este mesmo método. Mas acredito que valha à pena ao menos tentar...

Compreendendo desde a origem

Na minha opinião, que está baseada em muita observação e experiência, todo o Conhecimento Fatídico está organizado de uma maneira cronológica, ou seja, todo saber tem uma história/tempo por trás. Até porque nós, pessoas, vivemos enquanto edificamos alguma história, e somos nós os criadores do Conhecimento dos Fatos. No meu caso, em que possuo um espírito muito curioso, é super importante entender a linha de raciocínio de algum saber. Sim, eu sou o tipo de pessoa que pergunta (na maioria das vezes só pra mim mesma) "Quem?", "Por quê?", "O que?", "Como?", etc...
Assim, é menos complicado entender a história do que um enunciado solto.

Descobrindo fontes de inspirações
(Clarice Lispector)

Sem contar que, biografias são histórias verídicas, onde os casos de fato aconteceram. Imagine ler que seja um pouco da biografia do grande Einstein e descobrir que um dos maiores nomes da ciência nunca foi um bom aluno na escola? Ou saber que quando jovem Newton odiava matemática? Ou saber que Guimarães Rosa aprendeu a falar francês sozinho (e aos sete anos)?
Analisando o percurso de grandes nomes, percebe-se que não é necessário ser perfeito em tudo o que se faz para ser alguém na vida, e depende de como é a sua visão sobre o "ser alguém", porque pra mim não é necessário fama ou excesso de dinheiro ou muita inteligência.
É aquele clichê de "seja a melhor versão de você mesmo". E no fundo, vai ver foi isso que todos eles fizeram.


Sorry... Dessa vez não tem relatos. Mas há um conselho: faça tudo no seu ritmo, assim você tem não nada a perder.
Aliás, você também está criando uma biografia! (ou seria história? Ah, tanto faz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog