11 de janeiro de 2016

Por infinitos céus


Palavras libertas à toa... Não há motivos, nunca houve, nunca
precisou-se ter.
Liberta, a palavra voa... Rumo ao meu poente e ao (que é) teu
amanhecer.

assim, completa, a minha alma ecoa...

(por infinitos céus).

2 comentários:

Pesquisar este blog