4 de março de 2015

Assim eu quisera (poesia estragada)



Se quiser, sinta pena.
Mas eu dispenso sua piedade,
não é motivo de compaixão
a falta do excesso de vaidade

Vou indo muito bem assim,
feliz com meus princípios,
com minha personalidade.
Então, não sinta pena de mim

Na aparência deixo transparecer
características diferenciadas
Assim eu quisera ser
e assim quero ser amada

Sou mudança repentina
até mesmo na escrita,
mudo o modo de minha rima,
mudo o que me der vontade

Faço verso sem rima
porque também sou contraste
Estrago minha poesia,
mas expresso minha liberdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog