20 de fevereiro de 2015

Tua amada



Na escrita sou solteira, disponibilizada
Não estou à procura, necessito ser procurada
Por alguém que se aventure na minha solidão

Em minhas palavras, não pertenço a ninguém
E quem disse que a gente só ama aquilo que tem?

4 comentários:

  1. eeewwwwwwwww bagaça!!! Kkkkk é justamente isso, um tanto melodramático e com sabor de quero mais. Sei lá... Amei, tipo, mesmo mesmo! 😃

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk' Que bom que gostou Biba purpurinada >-<

      Excluir
  2. Amei cada verso e me identifiquei com todos. Também escrevo para ser procurada; compreendida... E também amo mais do que tenho - afinal, os devaneios que inspiram meus textos nem sempre são realistas, e é na realidade que está o que é concreto e pode ser conquistado/possuído.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :3 Fico "felizaça" em saber que gostou!
      Comigo é da mesma forma, vivo mais em devaneios do que na realidade. Mas na verdade os devaneios são só um planejamento bem arquitetado do que quero conquistar na realidade concreta.
      E acho que todo poeta é assim. :)

      Excluir

Pesquisar este blog