25 de fevereiro de 2015

Ressaca literária


Quando conheci o mundo da leitura, me encantei. Desde então sou uma devoradora de livros compulsiva. Acontece que eu sempre levei isso como uma qualidade, algo pra eu ter orgulho de mim mesma, sempre foi minha parte nobre. Eis que uma vez, para o meu desespero, fico numa certa antipatia em relação às palavras. Não foi ao certo um dia, nem sei dizer se foram duas semanas, sei que foi uma temporada... antipática e desesperadora.
Estava com o orgulho ferido, eu não entendia porque eu não conseguia mais ler mais que 20 páginas de algum livro ou mais que 3 postagens de um blog. O ponto onde quero chegar com esse drama exagerado, é que eu sofria de uma ressaca literária. Certamente vocês devem saber o que uma ressaca, mas se não sabem posso dizê-la em poucas palavras.

Ressaca é o estado em que alguém se encontra depois de exagerar no consumo de álcool. Seus sintomas aparecem cerca de uma soneca após consumo, e consiste em dor de cabeça, mal estar e antipatia ao álcool. Só que nem os sintomas e nem a antipatia duram muito, assim logo que a ressaca acaba o indivíduo continua apto ao consumo exagerado (novamente).
No caso da ressaca literária, seus sintomas não são sempre físicos, mas sim psíquicos. E, como o próprio nome já diz, essa ressaca não é em relação à bebidas alcoólicas, é em relação à leituras.
Leio frequentemente e por vezes me deparo com alguma ressaca literária. Felizmente, depois que descobri que é só uma má fase, já não me desespero. E meu orgulho se recupera junto com a sede por leitura.

Agora o ponto com o qual quero chegar nessa postagem (além de ser porque gostei de falar sobre o tema) é que tudo em exagero tem suas consequências, até mesmo coisas que nos fazem bem. Eu amo ler, principalmente as histórias, e tenho uma amiga que enche meu ouvido dizendo "Tu lê demais" (e muitas outras pessoas também dizem). Mas se for parar pra analisar, leitura não inclui somente aquele livro clássico ou aquele didático, como também inclui os textos carinhos em redes sociais, bate-papos nas mesmas, textos aleatórios em revistas, notícias de sites, letras de músicas e muito mais! (Palavras de Gabi).
Sendo assim, eu não leio muito mais do que qualquer outro. A diferença está nos meios de leitura.
E sim, na maioria das vezes ultrapasso meus limites. Porque quero abrangê-los, sem me sobrecarregar. Então minha gente, não precisam ter medo de ler por causa uma ressaca aqui e ali. Nem medo de ultrapassar seu "limite de palavras a correr pelos olhos". O mal não está na leitura, está nesse medo no qual a sociedade se acomoda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog