8 de janeiro de 2014

Resenha: Os 13 porquês


Sinopse:

Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra um misterioso pacote com várias fitas cassetes. Ele ouve as gravações e se dá conta de que foram feitas por Hannah Backer, uma colega de classe, que cometeu suicídio duas semanas antes. Nas fitas, ela explica que 13 motivos a levaram à decisão de se matar. Quem recebeu os pacotes é um deles. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento...

O único problema é que ele não conseguia entender como contribuiu, pois nunca havia tratado Hannah com desrespeito ou mal educação, ele nem sequer tinha muitas oportunidades de um diálogo com ela, mesmo sendo apaixonado pela mesma. Apenas 1 vez ele teve uma chance de realmente conquistá-la, ele bem que tentou, mas falhou. Agora, ele tem de escutar a voz fantasma para entender além do que ele imagina que possa ter acontecido.
No decorrer das fitas ele também descobre uma Hannah que ele já conhecia, uma Hannah que ia muito além dos boatos, já que a maior causa do suicídio dela eram os boatos indecentes e mentirosos. Assim como também descobre segredos íntimos de colegas. 





Minha opinião:

Viciante. Ainda estou a espera do fim do livro. Sim, eu terminei de ler, mas o achei tão bom que gostaria que houvesse uma continuação. Este livro mexe com o psicológico de quem lê, nos faz cautelosos com nossas palavras e ações, pois nunca se sabe o que pode ser uma gota d'água para um suicida. Me comovi com a história de Hannah, senti pena dela, da personalidade dela, mas sim da maneira que as pessoas a tratavam.
É quase que impossível não se apaixonar por Clay Jensen. Já que quando Hannah era viva, ela era seu grande amor. É ótima a maneira com que ele relata ela, e como ele descreve seus sentimentos por ela.
Achei bastante original o fato de um suicida deixar relatado os motivos pelo qual se matou, e ainda mais assustador esses mesmos relatos serem enviados para as pessoas que os causaram, acho que o Jay (o escritor) soube escrevê-lo muito bem, até suas reticências comoviam.
Outra coisa que me fez amar este livro foi que, ele acontece em uma noite, ou melhor em uma virada de noite, só ao mesmo tempo você o vive em dois anos. Complicado, não? O que quero dizer é que o Clay escuta as fitas em uma noite, mas que (em seus pensamentos) ele relata tudo que ocorreu em dois anos cronologicamente. Então, é possível vivenciar muito e pouco ao mesmo tempo. Gostei das folhas, das entrelinhas e, principalmente, das "quebras linhas" (estas tinham os símbolos de playpausa e stop, por causa que o Clay estava escutando as fitas em um aparelho que tinha estas funções).



Citações:


Não me menosprezem... mais uma vez.


Afinal, quantas vezes a gente tem uma segunda chance?


Mas a questão é que, quando você faz alguém se sentir ridículo, você tem de assumir a responsabilidade pela ação de outras pessoas que tomam isso como pretexto.


Mas não posso. Não podemos reescrever o passado.


Ninguém prevê um suicídio.


É difícil ficar desapontada quando algo que você já estava esperando se torna realidade.


Ao me conscientizar de que ninguém sabia a verdade a respeito de minha vida, meus pensamentos sobre o mundo ficaram abalados.


Uma pessimista? Uma otimista? Nenhuma das alternativas. Uma idiota.



Eu parecia a única pessoa a se importar comigo.



Mais uma vez.

Estou escutando alguém desistir. Alguém que eu conhecia. Alguém de quem eu gostava. Estou escutando. Mesmo assim, estou atrasado.



Então, por que você não tentou com mais insistência?



Ninguém sabe ao certo quanto impacto tem na vida dos outros.



E esse choque criou um vácuo no meu peito.



E eu continuava pensando sem parar: será que é assim que a gente se sente quando enlouquece?



Teria colocado tudo a perder. Ou será que eu já tinha perdido tudo?



E, sinceramente, não há maneira melhor de explorar as emoções do que através dos versos. 



Se meu amor fosse um oceano,não haveria mais terras.Se meu amor fosse um deserto,você só enxergaria areia.Se meu amor fosse uma estrela -tarde da noite, luz apenas.E se meu amor pudesse criar asas,eu estaria voando nas alturas.




Tudo o que a gente realmente possui... é o agora.



Estava esperando que você me mandasse parar de novo. Parar de ir embora.



Apenas sentindo falta dela. Sentindo falta dela a cada sopro de ar que inspiro. Sentindo falta dela com um coração que, por si só, se sente tão frio, mas que aquece quando os pensamentos sobre ela fluem através de mim.


PS: Os quotes podem parecer sem sentido, mas como já devo ter citado, só lendo pra entender a importância de cada reticência.


Autor: Jay Asher

Páginas: 256
Editora: Ática

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog