31 de janeiro de 2014

Resenha: O lado bom da vida


Sinopse:

Após sair de uma instituição para pessoas com problemas mentais, Pat Peoples, busca reconquistar sua vida antiga. Convencido de que passou apenas alguns meses no “lugar ruim”, ele pensa que está passando apenas um “tempo separado” de sua esposa Nikki e que este “tempo” terá um fim. No decorrer de sua recuperação ele fica na casa de seus pais, a relação com sua mãe continua a mesma, porém, seu pai se recusa a falar com ele, fingindo que não há ninguém em casa.
Seus pensamentos giram em torno da sua reconquista por Nikki, de modo que ele procura melhorar seu intelectual, sua educação e o seu estado físico. Assim ele se vicia em exercícios. Em sua recuperação ele faz uma grande (e estranha) amizade com Tiffany, uma mulher jovem que também está em recuperação, pois perdeu o marido e desde então sofre de depressão. Apesar dos dois não se comunicarem muito, ajuda-se um ao outro com alguns desabafos e principalmente com o companheirismo.
Mesmo não sendo tão apaixonado por futebol americano, ele mostra o mais fanático possível para obter uma melhor relação com seu pai que tem um humor que varia com os resultados dos jogos. Seus planos de um futuro melhor nunca parecem dar certo, mas Pat é determinado e acredita em finais felizes e no lado bom da vida.



Minha opinião:

Eu não indicaria este livro para alguém ler, não que ele seja ruim, ao contrário, ele é incrível, mas sua história parece um pouco chata. Só parece mesmo. Não adianta ler este livro pela metade e julgá-lo, pois ele fica ótimo são nos últimos 10 capítulos, onde tudo dá uma reviravolta e nada do que você imaginava acontecer acontece. Em outras palavras, este livro te ilude, te mostra que você precisa pensar em fins mais criativos, te toca e te faz querer ler mais além das últimas páginas.
É, acho que o livro fica muito bom depois da página 254, “Mas pera aí. A página 254 não é a última~~” é sim, acontece é que o fim do livro é o que o torna perfeito, e imaginar o que há além das últimas páginas é o que nos faz leitores aventureiros.  Como já disse a história é monótona (assim como a vida real) e dá pena do Pat, que se mostra um grande otimista iludido.
Com o livro pude aprender que não se pode perder as esperanças mesmo quando o vento sopra para o lado oposto, quando nada no universo parece dar certo. Mas também aprende-se que a vida é imprevisível e é quase impossível tudo sair exatamente da maneira que planejamos. Aprende-se que a vida é “bipolar” e não podemos deixar que algumas decepções nos abale, como diz o Pat “O sol está escondido atrás do céu nublado”. Devemos ter paciência por que a vida tem seu lado bom.


Quotes:

Dói olhar para as nuvens, mas também ajuda, como a maioria das coisas que causam dor.

- Só tenho amor por você.

São suas ações que fazem de você uma boa pessoa, não sua vontade.

Quando o silêncio se torna constrangedor.

Estou praticando ser gentil em vez de ter razão.

Sofria porque o mundo fora cruel com ela.

Eu me pergunto.

Eu vou saber só de olhar nos seus olhos.Eu posso ser uma amiga muito valiosa, mas você não vai querer que eu seja sua inimiga.

As palavras expressão o que sinto.


Autor: Matthew Quick
Páginas: 254
Editora: Intrínseca

Um comentário:

  1. Tanto o livre com o filme são perfeitos. ♥

    http://katyperrymonitoracao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Pesquisar este blog