28 de setembro de 2013

Resenha: Auto da Compadecida


Sinopse:
O "Auto da Compadecida" consegue o equilíbrio perfeito entre a tradição popular e a elaboração literária ao recriar para o teatro episódios registrados na tradição popular do cordel. É uma peça teatral em forma de Auto em 3 atos, escrita em 1955 pelo autor paraibano Ariano Suassuna. Sendo um drama do Nordeste brasileiro, mescla elementos como a tradição da literatura de cordel, a comédia, traços do barroco católico brasileiro e, ainda, cultura popular e tradições religiosas. Apresenta na escrita traços de linguagem oral [demonstrando, na fala do personagem, sua classe social e apresenta também regionalismos relativos ao Nordeste. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi "o texto mais popular do moderno teatro brasileiro".


Minha opinião:
Entrei numa onda de ler livros brasileiros que só! (Agora mesmo, tô lendo "O quinze"), me deu uma curiosidade em ler livros de escritores (brasileiros) populares, principalmente porque são livros indicados por vestibulares, (sei que ainda estou no 1º ano, mas já me importo muito com qual futuro terei). Eu nunca havia lido um auto em toda a minha vida, e gostei muito desta experiência. O "Auto da Compadecida" me prendeu bastante, é um livro de leitura leve, engraçado e divertido. Gostei bastante dos personagens (principalmente do João Grilo). O livro foi muito bem escrito, é possível lê-lo em um dia, ele retratava mais ou menos os anos de 1900, por aí... No tempo em que havia "cangaceiros" dominando o nordeste brasileiro.
Só não gostei mais, porque ele era escrito em formato de peça teatral, só que, uma peça teatral em um circo. É tanto, que até tem partes assim: "Chicó sai. Palhaço entra. Palhaço: Precisam me perdoar, mas o cenário será trocado...". Também não gostei do fato de tentarei impor Maria acima de Jesus, como se ela fosse mais importante que Jesus. E outra coisa que não gostei, foi que João Grilo perguntou a Jesus se ele era protestante/evangélico, e Jesus respondeu que era católico. Esta foi a parte que mais odiei, sou católica, mas sei que Deus não tem religião. Deus não diz: "Ah! Eu sou judeu.", ou então "Eu sou muçulmano" muito menos "Eu sou católico", "Eu sou evangélico". Tá, não vou discutir sobre isto.
Enfim, foi um livro até bom, com exceção das partes que citei >-<


Quotes:

Quanto mais alta é a função, mais generosidade e virtude requer.

Que vergonha! tão corajoso antes, tão covarde agora.

Cumpriu sua sentença e encontrou-se com o único mal irremediável. Aquilo que é a marca de
nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo
num só rebanho. Porque tudo o que é vivo, morre.


Não sei, só sei que foi assim.

Que animal inteligente! Que sentimento nobre!

Em ciência, tudo é natural.

Lembrando que tem o filme (Auto da Compadecida) que foi baseado nesse livro, e eu, sinceramente, prefiro o filme. Pra quem querer ler é bom procurar na biblioteca da escola, porque geralmente livros populares (e brasileiros) tem lá. Foi só isso gente, até ;))

Páginas: 186
Autor: Ariano Suassuna
Editora: Agir

8 comentários:

  1. "Não sei, só sei que foi assim." essa frase toca! kkk' Serio, depois que assisti o filme que foi baseado nesse livro, em alguma (qualquer) situação uso essa frase quando ela se encaixa kk u-u Amo o filme, tipo, muito mesmo (é daqueles que te fazem querer assistir novamente) e acho que todos já viram pq né, sessão da tarde manda um abraço kkk Se o livro é como o filme (se o filme foi baseado no livro, logico que sim, o livro é como o filme dãa) tenho certeza que é legal :DD
    Bjs <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né?? Haha' a frase que eu achei mais tocante foi: "Que animal inteligente! Que sentimento nobre!" porque... Só lendo pra entender e sentir a emoção Haha'
      Na minha opinião o filme é ainda melhor que o livro (tenso :| geralmente é ao contrário)!

      Excluir
  2. Não sabia que tinha o livro, e também achei meio injusto esse lance de Jesus ter religião (mesmo que eu também seja católica)... Apesar disso, já assisti o filme e digo com toda a certeza que, entre os nacionais, é o meu preferido!

    Beijos ♥ Jeito Único

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, foi um susto pra mim também, quem tinha me dito que tinha o livro foi uma professora. É, tipo, isto de Jesus dizer era católico destruiu todo o livro!
      Concordo, este filme está entre os meus favoritos.

      Excluir
  3. Eu já assisti o filme e adorei! O livro deve ser bom também (:

    Beijoos, Ana Carolina.
    http://simplesglamour.blogspot.com
    Instagram e Twitter: @simplesglamour

    ResponderExcluir
  4. Eu também gosto muito de livros brasileiros (mas dei uma pausa ultimamente para ler meu romances hihi), mas enfim esse livro me pareceu interessante, mas confesso que acho um saco ler livro em "formato de peça teatral" :c

    www.adolecentro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fale, pra gente gostar a escrita tem que se muuuuuito boa...

      Excluir

Pesquisar este blog